sábado, 20 de setembro de 2014

Tocantins: subidas íngremes, calor e gente boa

De Formoso do Araguaia a intenção era chegar até Ponte Alta do Tocantins, o "Portal do Jalapão", por caminhos alternativos. Encontrei estradas asfaltadas excelentes para pedalar. Metade do percurso foi em trechos relativamente planos. A outra metade, no entanto, tinha subidas tão íngremes quanto possível, onde era necessário usar a marcha mais leve da bike (relação 22/32).

Passei por Dueré, Aliança do Tocantins e Brejinho de Nazaré. Em Brejinho, após mais uma manhã quente, procurei um restaurante para almoçar, e me indicaram o Feijão Queimado. Duas senhoras saíam de carro quando cheguei, impressionaram-se com a viagem, e me deram 20 reais para almoçar.

Sentei à mesa e pedi um PF, que veio bem servido. O garçom, Ítalo, trouxe-me meio jarro de água gelada, pouco mais de meio litro, e o esvaziei imediatamente. Pedi-lhe mais e então ele veio cheio, com uma grande pedra de gelo. Terminei o prato, continuava com sede, e o Ítalo precisou trazer um terceiro jarro. Esses dias por aqui têm sido assim. Desidrato rápido pela manhã. Tive a oportunidade de me pesar antes e depois de almoçar uma vez: ganho 4 quilos!

Paguei a conta e segui em direção a Porto Nacional. 8 km depois vejo, pelo retrovisor, uma moto buzinando e dando sinal de luz. Veio pela minha direita, fez sinal para encostar. Parei e o piloto tirou o capacete. Era o Ítalo: "Não esqueceu de nada, não?" Sim, ainda não sabia, mas eu esquecera meu cartão de crédito no balcão do restaurante.

De Porto Nacional eu poderia já pegar a estrada para Ponte Alta, mas lembrei que precisava sacar dinheiro, coisa que não fazia desde Sorriso, MT. Tive que seguir em direção a Palmas. Em Taquaral, na periferia sul da cidade, achei um caixa 24h, e ali mesmo entrei no trevo para Taquaruçu, a estrada mais curta para quem vai de Palmas para o Jalapão.

Taquaruçu é um destino de fim de semana dos palmenses. Cercada de montanhas e nascentes e 300 m acima do Rio Tocantins ela é, em média, uns 5 graus mais fria que a capital, mesmo a apenas 30 km de distância. O único hotel que encontrei custaria 85 reais, e não servia café da manhã. O camping custava 30. Diante de tais alternativas preferi tentar a sorte em um quintal. Deu certo na primeira tentativa, e fui melhor recebido que em qualquer lugar pago. Já fiz isso outras vezes, mas toda vez a bondade das pessoas me surpreende.

Estatísticas:

Dia 45 (Aliança do Tocantins): 119,50 km @ 16,47 km/h, 987 m ↑
Dia 46 (Porto Nacional): 110,66 km @ 17,40 km/h, 573 m ↑
Dia 47 (Taquaruçu): 76,26 km @ 16,36 km/h, 529 m ↑
Dia 48 (Ponte Alta): 119,88 km @ 17,93 km/h, 1361 m ↑

Total: 4570 km

IMG_4236 - Arara em fazenda na TO-070

IMG_4247 - Comitiva na TO-070

IMG_4252 - Marcas da comitiva na TO-070

Marcas de uma comitiva

IMG_4291 - Rio Tocantins

Rio Tocantins

IMG_4312 - Cachoeira de Taquaruçu

Cachoeira de Taquaruçu

IMG_4317 - Taquaruçu

IMG_4330 - Serra de Taquaruçu

Serra de Taquaruçu

IMG_4336 - TO-030