terça-feira, 26 de agosto de 2014

Pessoas gentis no Mato Grosso

Saí de Sonora às 6h10 porque tinha 130 km para pedalar até Rondonópolis. O clima seco causa grandes oscilações de temperatura. Cheguei a passar frio à noite acampando em Rio Verde, mas preciso aproveitar as primeiras horas da manhã e evitar o calor terrível que começa a fritar a partir das 11h. A estratégia consiste em deixar no máximo uns 40 km para depois do almoço.

Cruzei o Rio Correntes na divisa dos estados e encontrei gigantescas plantações de soja do lado mato-grossense. Era um trecho plano da BR-163, de raras sombras, onde um vento norte pôde me açoitar com toda sua força e reduzir a velocidade para 12 km/h.

No dia seguinte, um domingo, saí de Rondonópolis. Havia obras de duplicação na estrada, com uma larga pista recém-asfaltada ainda bloqueada para veículos. Dezenas de ciclistas faziam bom uso do espaço. Não encontrara tantos desde que saí de Colombo, provando que a existência de um ambiente seguro motiva os cidadãos a pedalar.

Mas foram apenas 15 km. Os 15 km seguintes não estavam asfaltados e o entulho das obras cobria o estreito acostamento, tornando o trecho muito perigoso. Tive que parar algumas vezes para esperar comboios de veículos passarem.

Em Juscimeira, ainda no km 37, resolvi almoçar, pois não esperava encontrar mais nada no caminho. No posto na entrada da cidade havia o Restaurante Fanatiko's. Um senhor me apresentou o buffet após me perguntar da bicicleta e insistiu para que eu almoçasse ali. Fiz o prato, sentei-me. Pedi apenas uma água gelada para beber, como de costume, mas ele me trouxe um suco de laranja como cortesia. Saí satisfeito e, quando cheguei no caixa, não quis me cobrar. Chamava-se Mariosan. Ofereceu-me café e conversamos bastante.

Pouco antes das 17 h cheguei em Dom Aquino, via MT-344. No Hotel Recanto dos Pássaros, um lugar bonito com árvores rotuladas de diferentes espécies, encontrei um quarto por 30 reais, mas eu pagaria apenas 15 porque as noites de domingo para segunda estavam em promoção.

Voltei à pequena cidade procurar algo para comer. Só havia bares, e decidi comprar algo para cozinhar. Encontrei a Mercearia Sassagima. Escolhi os itens das prateleiras muito sucintas enquanto conversava com a dona. Perguntou-me se eu já fora bailarino. Paguei a conta e fui saindo, mas alguém chamou a minha atenção de dentro da mercearia. Voltei-me e um senhor tomava cerveja com os amigos em uma mesa. Quis saber detalhes do meu roteiro e se apresentou: era João José, que viajava de bicicleta já em 1978. Ele abriu sua carteira e me restituiu o valor que gastara na mercearia!

Estatísticas:

Dia 23: 136,48 km @ 17,17 km/h, 1025 m ↑
Dia 24: 92,74 km @ 16,18 km/h, 1171 m ↑

Total: 2496 km

IMG_3159 - Divisa do MS com MT

Rio Correntes (divisa do MS com MT)

IMG_3166 - Sombra preciosa na BR-163

Sombra preciosa na BR-163

IMG_3186 - BR-163 em processo de duplicação

BR-163 em processo de duplicação: trecho recém-asfaltado bloqueado para veículos

IMG_3188 - Trecho perigoso na BR-163

Trecho perigoso ao lado das obras na BR-163

IMG_3198 - Eu e Mariosan, dono do Restaurante Fanatiko's em Juscimeira

Mariosan, dono do Restaurante Fanatiko's em Juscimeira e que não quis cobrar pelo meu almoço

IMG_3204 - MT-344

MT-344

IMG_3224 - Jantar em Dom Aquino

Cozinhando em Dom Aquino